prevenção

  1. Julho Amarelo e as hepatites virais

    Você sabe quais as maneiras de prevenir contra hepatites virais? E sabe como tratar? Todos os tipos de hepatites já têm vacinas? A dra. Adriana Martins Miranda fala ao Grupo Total em entrevista exclusiva sanando todas essas dúvidas e muitas outras mais. Confira:

     

    Leia mais »
  2. Maio Roxo: Entenda as Doenças Inflamatórias Intestinais

    A Doença de Crohn e a Retocolite Ulcerativasão as principais Doenças Inflamatórias Intestinais (DII) e acometem qualquer idade, tendo a faixa etária jovem adulta como principal incidência. A campanha Maio Roxo alerta sobre a identificação dessas doenças que afetam o intestino e podem ter como sintomas também manifestações extra intestinais. Tratá-las no momento correto, recuperar a qualidade de vida dos pacientes e não desenvolver riscos de consequências mais graves são seus principais objetivos.

    O coloproctologista Rogério Parra explica as DII e suas características, destacando também qual é o sinal de alarme para elas: se existe uma dor abdominal frequente, cólicas fortes, emagrecimento, anemia e diarreia com sangue ou catarro, recomenda a procura de um especialista. Assista a entrevista completa com o especialista:

     

    Leia mais »
  3. Saiba quais as restrições nas fases vermelha, laranja, amarela, verde e azul

    A vacinação já começou, mas isso não significa que a pandemia acabou. Por outro lado, os protocolos de segurança nunca foram tão importantes em uma fase tão aguda de contaminação pelo novo coronavírus em todo o Brasil. Pensando na proteção da população, o governo de São Paulo estabeleceu um plano que separa as fases da pandemia por cores, cada uma com um grau de restrição. Entenda todas as fases:

     

    Fase Emergencial

    Antes do lockdown, essa é a mais restritiva das fases. A grande maioria dos estabelecimentos não podem atender ao público presencialmente. Escritórios em geral, repartições públicas e serviços de tecnologia da informação, somente via telefone. Estabelecimentos comerciais em geral, de material de construção e produtos eletrônicos podem vender somente via delivery (entrega em casa) ou drive-thru (retirada do produto sem sair do carro) das 5h às 20h. Supermercados abrem das 5h às 20h, mas não aos domingos e eventos esportivos são

    Leia mais »
  4. Março Lilás: Prevenção do câncer cervical

    Em apoio a Campanha Março Lilás, o Grupo Total entrevistou Fabio Zola, Oncologista Clínico, sobre o câncer do colo do útero, também chamado câncer cervical. Neste mês de prevenção, atenção e combate da doença, colocamos em foco a importância do exame preventivo e informações sobre sintomas e diagnóstico. Confira a conversa completa com o médico:

    – O que é o câncer de colo de útero e como ele age no organismo da mulher?
    Também chamado de câncer cervical, é um tipo de tumor maligno que ocorre na região inferior do colo do uterino que fica localizado no fundo da vagina. Geralmente associado a uma infecção persistente por alguns tipos Papiloma humano (HPV). A infecção por esse vírus é muito frequente na população e não causa doença na maioria das vezes, mas pode ter a evolução desta infeção que leva a alterações celulares até a formação de um câncer. Como existe esse tempo entre a infecção inicial até a progressão para o tumor, pode ser descoberto e tratado a temp

    Leia mais »
  5. Verão e doenças associadas ao Aedes aegypti

    As constantes chuvas e o calor são condições favoráveis para aumentar a proliferação do Aedes Aegypti, um mosquito que já se reproduz o ano todo. Por isso, a chegada no verão no Brasil e do clima chuvoso em diversas regiões do país é uma preocupação de saúde pública que não deve ser negligenciada pelas autoridades da saúde e pela sociedade.

     

    Dengue

    A dengue, infelizmente, já é uma doença bem conhecida no Brasil e no mundo, causada por um vírus e transmitida pelo mosquito Aedes aegypti. Só em 2020, o Ministério da Saúde registrou quase 1 milhão de casos até 14 de novembro. Desses, 528 pessoas morreram. Lembre-se de não deixar água parada, principalmente em época de chuvas.

     

    Zika Vírus

    Mais um vírus transmitido pelo mosquito Aedes aegypti, o Zika Vírus apresenta sintomas semelhantes ao da dengue, que começam a aparecer de 3 a 12 dias após a transmissão. No entanto, a grande maioria das p

    Leia mais »
  6. Conheça a doença falciforme e a importância do teste do pezinho

    Um dos distúrbios genéticos mais comuns no Brasil, a doença falciforme tem esse nome devido a uma alteração ocorrida nos glóbulos vermelhos do sangue, que tomam um formato parecido a uma foice. Esse aspecto diferente das hemácias dificultam a circulação de oxigênio nos tecidos de todo o corpo, causando palidez, desidratação, infecções frequentes, cansaço intenso, dores no corpo (principalmente nas pernas, tórax e articulações), e podendo causar, inclusive, acidentes vasculares cerebrais (AVC).

    Segundo estatística do Ministério da Saúde divulgada em 2018, há entre 25 e 50 mil pessoas no Brasil vivendo com a doença falciforme que, por ser um distúrbio genético, é hereditário. A doença começa a se manifestar já no primeiro ano de vida do bebê, por volta dos seis meses. Por isso o popular teste do pezinho, realizado já nos primeiros dias de vida do bebê, é de extrema importância para identificar essa alteração nas hemácias e dar início ao tratamento, que envolve a prevenção de infecções, transfusão de sangue, alguns medicamentos específicos de uso oral, entre outros recursos.

    A doença falciforme tem diferentes graus de gravidade e o transplante de medula óssea tem curado alguns casos com êxito dessa doença em crianças, principalmente, apesar de ser um tratamento ainda em fase experimental.

    Você, mãe! Não deixe de fazer o teste do pezinho em seu bebê! É possível conviver com a doença falciforme, mas quanto antes identificar o distúrbio e começar o tratamento, é possível garantir uma melhor qualidade de vida para seu filho.

    Leia mais »
  7. Maio Roxo alerta para doenças inflamatórias intestinais

    Outra campanha que também acontece durante este mês é a “Maio Roxo”, voltada à conscientização sobre as doenças inflamatórias intestinais (ou DII). Existem três tipos de DII: a doença de Chron, que se manifesta em qualquer parte do sistema digestório; a retocolite ulcerativa, que provoca a inflamação da mucosa do intestino grosso; e uma terceira não classificada, que possui características de ambas as anteriores. Quanto antes o paciente procurar o médico e identificar a DII, mais cedo se inicia o tratamento e passa a ter uma qualidade de vida melhor.

    Segundo a pesquisa Jornada do Paciente com DII, realizada pela Associação Brasileira de Colite Ulcerativa e Doença de Crohn (ABCD), essas doenças prejudicam significativamente a vida de 78% dos pacientes que as têm.

    As DII ainda não têm causa comprovada, mas podem estar relacionadas principalmente a fatores hereditários e imunológicos, além de poderem ser agravadas por hábitos diários. Também não possuem uma cura, mas o diagnóstico precoce pode levar a um tratamento, permitindo que a pessoa controle a DII e tenha uma qualidade de vida melhor, podendo ficar até completamente assintomático.

    A alimentação é um fator determinante para viver bem com a DII. É preciso evitar bebidas alcóolicas, chocolate, chá preto, café e a ingestão de alimentos considerados constipantes ou que aumentem a produção excessiva de gases.

    Ao sentir qualquer sintoma, procure o seu médico.

    Leia mais »
  8. Maio Amarelo propõe conscientização no trânsito

    O movimento “Maio Amarelo” é um dos mais conhecidos do brasileiro, pois tem um forte apelo que pode ser atendido por todos nós: chamar a atenção da população para o alto índice de mortes e feridos no trânsito, e tomar medidas para diminuir esse número.

    Por conta da pandemia de Covid-19 e do alastramento do novo Coronavírus, a campanha “Maio Amarelo” está mais voltada ao digital este ano. Segundo o Relatório de Status Global sobre Segurança no Trânsito de 2019, realizado pela Organização Mundial da Saúde, a taxa de mortalidade no trânsito vem se mantendo estável nos últimos 15 anos em todo o mundo, por volta de 1,35 milhão de pessoas ao ano. Esse ainda é um número muito alto, que pode ser diminuído com ações de conscientização. No Brasil, o número de acidentes em rodovias diminuiu 2.6% em 2019 em relação a 2018, porém o número de mortos e feridos aumentou 3,3% no ano passado, a primeira vez que o índice cresce em sete anos. Foram 5.332 pessoas mortas em acidentes de trânsito.

    Em 2010, a Assembleia-Geral das Nações Unidas definiu o período de 2011 a 2020 como a “Década de Ações para a Segurança no Trânsito”. Desde então, a campanha “Maio Amarelo” tem ganhado mais força para conscientizar a população e evitar acidentes de trânsito, que já são os primeiros responsáveis por mortes de jovens no mundo na faixa entre 15 e 29 anos, por exemplo.

    As ações de conscientização podem ser realizadas por quaisquer instituições ou pessoas que queiram aderir à campanha no seu bairro ou comunidade. O site www.maioamarelo.com contém orientações e exemplos de ações voltadas aos cuidados no trânsito para total apoio.

    Leia mais »
  9. Dia da Cruz Vermelha: humanitarismo em primeiro lugar

    Hoje é o Dia Internacional da Cruz Vermelha, dia de comemorar a solidariedade em todo o mundo. A Cruz Vermelha é uma instituição global de apoio humanitário fundada em 1863, na Suíça, que já está presente em 190 países e conta com mais de 97 milhões de voluntários em todo o planeta. A instituição tem como fundamentos básicos a humanidade, imparcialidade, neutralidade, independência, voluntariado, unidade e universalidade.

    No Brasil, a Cruz Vermelha vem prestando apoio, principalmente, às vítimas de catástrofes naturais. Em 2017, por exemplo, deu assistência às vítimas de enchentes em Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Alagoas, Pernambuco e Amazonas, com atividades de conscientização para redução do risco de contaminação por mau uso da água. Nos últimos anos, a instituição vem desenvolvendo um projeto de combate ao mosquito transmissor da dengue e do Zika vírus.

    Diante da atual pandemia do novo Coronavírus, a Cruz Vermelha Brasileira vem realizando a campanha “Estamos Prontos”, de combate à Covid-19. Entre as atividades realizadas, as filiais da instituição têm distribuído doações, cestas básicas, kits de higienização e promovendo campanhas de vacinação em todo o país. Até o final de abril, segundo o site oficial, já haviam distribuído mais de 4.380 cestas básicas, 510 galões de água, 15.600 luvas de proteção e cerca de 22.649 máscaras, contabilizando mais de 50.500 pessoas beneficiadas pela instituição.

    Leia mais »
  10. Dia Mundial do Planeta Terra propõe reflexão sobre meio ambiente e a saúde humana em meio ao novo Coronavírus

    Esta semana houve o Dia Mundial do Planeta Terra, na terça-feira (22), uma celebração ao meio ambiente com o intuito de promover a conscientização ambiental na população. No entanto, essa data passou em meio à atual pandemia do novo Coronavírus e a doença que forçou a maioria da população mundial a ficar em casa, a Covid-19. Essas mudanças drásticas no dia a dia das pessoas geram consequências imediatas para o planeta também.

    Com a interrupção de indústrias e a diminuição de meios de transporte nas ruas, a poluição diminuiu e a qualidade do ar melhorou em muitas cidades que estão em quarentena, segundo imagens de satélite da NASA. No entanto, com as pessoas confinadas em suas casas, a produção de lixo e o consumo de energia aumentaram.

    É preciso buscar um equilíbrio. Pequenas atitudes ajudam muito, se cada um fizer a sua parte, como promover a coleta seletiva de lixo. Quando a rotina voltar, empresas podem procurar soluções menos poluentes e as pessoas podem utilizar mais transportes público para evitar grande circulação de carros.

     

    Saúde mundial

    A saúde de nosso planeta está comprometida, assim como a do ser humano neste momento. Já são mais de 180 mil mortes pelo novo Coronavírus e mais de 2,6 milhões de pessoas infectadas em todo o mundo, segundo balanço divulgado ontem (24/04/2020) pela AFP (Agence France-Press) com base em dados oficiais. Para não aumentar significativamente esses números, é preciso, novamente, que cada um faça sua parte. Lave as mãos com frequência e, se não tiver como, utilize álcool em gel; evite aglomerações e procure sair de casa com máscaras descartáveis, que protejam nariz e boca; evite levar as mãos ao rosto.

    Se todos tomarmos os devidos cuidados, precauções e atitudes conscientes, conseguiremos salvar tanto os homens e mulheres quanto o planeta.

    Leia mais »
Página